Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Algumas notas sobre a chuva (em actualização...)

por cincodiasuteis, em 18.09.14

1. Os quadros românticos mais comuns na cabeça das pessoas são a chuva que molha como se nos vestisse ou, por outro lado, o ocaso de um dia de calor; estes quadros raramente se fazem de chuvas com vocação para assolar ou de asfaltos alagados de calor diante dos nossos olhos secos.

 

Não podemos ser românticos (ou poetas, ou filósofos) sob certos céus, de facto.


2. O guarda-chuva da rapariga contorceu-se ao mesmo tempo que o seu vestido se levantou. O rapaz não tirou os olhos do guarda-chuva, rindo daquela dança. Por isso é que os guarda-chuvas das senhoras são frágeis. 
O resto explica a Rihanna, pode ser?

E também não é por acaso que os homens perdem os guarda-chuvas como se isso, essa distracção, fosse um instinto primário.


3. O homem deste século gosta muito do som da chuva - por aí, em canções, em pequenos textos, o som da chuva, o som da chuva, o som da chuva... E esse som dá-lhe vontade de ouvir certas canções.

O som da chuva dura pouco, portanto, apesar de o homem gostar muito dele.

4. Hoje emocionei-me quando vi um homem a desfazer-se da sua televisão. Chovia e ele estava ali parado, com um impermeável mal recortado de um toldo vermelho, a olhar para o lixo, com a televisão nos braços... 

As maquinas emocionam-me a partir do momento em que deixam de funcionar.

 

António Trindade Vieira

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contacto

cronicasinuteis@sapo.pt