Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Escatologia

por cincodiasuteis, em 06.08.14

Digo, desde já, que este assunto é demasiado delicado. Peço ao leitor compreensão e, sem querer chocar, vou asneirar o mais que puder e ser arrogante, talvez no fim seja desatinado. Contudo, não se pense que isto é uma anedota.

 

Estão três pessoas à frente de uma televisão: um coprólogo, uma actriz de revista e um miúdo fascinado pelo apocalipse. Sim, são uma família. Como qualquer família normal, comem em frente ao televisor. Não há diálogo possível, pois assiste-se ao fabuloso programa “Bora lá Marina”:

 

“Cócó xixi, pilinha pipi!”.

 

Os graúdos riem-se; o miúdo, envergonhado, vai para o quarto a correr da forma mais melodramática que se possa imaginar. Em pleno trote disléxico, pensa: “Eu sei que trabalham ambos no meio de merda, mas rirem-se da Marina Mota ofende-me. O que é que eu fiz para merecer isto?”. Ter um pai que passa o dia a estudar excrementos e uma mãe que ganha dinheiro a bracejar “manguitos” para uma plateia de imbecis é difícil de encaixar, especialmente para um miúdo que deprime com tudo e com nada. Este mundo, conservador, ainda não aceita estas profissões: “olha, lá vai o filho do gajo que é perito em escatologia! Devia ter vergonha.”. Imagino o sofrimento de um filho cujo pai tenha de ganhar dinheiro a estudar fezes humanas. Deve ser uma merda (demasiado escatológico?).  

  

O puto nunca leu a Bíblia, a teologia pouco lhe interessa. No entanto, não há pessoa mais devota do que ele quando se fala sobre o fim dos tempos.“Gostava de ler o Apocalipse”, pensa ele, preso no seu cubículo intelectual. Estes pensamentos aleatórios penetram-lhe na cabeça enquanto ouve, lá ao longe, a voz estridente de Marina Mota: “Feitiozinho de merda!”

 

No cimo da prateleira está uma Bíblia poeirenta. A curiosidade invade o rapaz; pega o livro pelo fim: “Isto é mesmo bom!”, exclama completamente extasiado.  Devora uma página atrás de outra ao mesmo ritmo que os senhores seus pais arrotam o alfabeto, em uníssono (escatologia também é diversão). Escusado será dizer, que a interpretação de um miúdo de treze anos da Bíblia é semelhante àquela que Charles Manson fez da música Helter Skelter. Mesmo assim, penso que  adorar o fim do mundo faz mais psicopatas do que a música dos Beatles. Ah! Já me esquecia. O humor de revista -Marina Mota, Carlos Cunha e o resto da corja -, cujas frases acabam sempre em alho e ona, também é um catalisador para a psicopatia (escatologia também é miséria).

 

No fim das suas leituras, o filho armado em Bruce Willis numa sequência de Pulp Fiction, empunha uma espada de samurai, que estava, tal como a Bíblia, no cimo da prateleira. Num bilhetinho escreve, toscamente: “toda a merda merece um apocalipse” (escatologia também é loucura). Qualquer pessoa, com dois dedos de testa, que leia isto percebe o que está para acontecer. Escalpes a voar, sangue a jorrar como se de um repuxo se tratasse e vísceras na parede. Inspirado nos mais ferozes filmes do Tarantino, cria-se um cenário escatológico. O miúdo teve o que queria: pôs termo ao sofrimento alegre da sua família e teve o seu próprio apocalipse (escatologia também é moral).  

 

Agora, toca a ir ao dicionário ver o que quer dizer escatologia. 

 

Pedro Ramalhete

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contacto

cronicasinuteis@sapo.pt