Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dartacão e os Moscãoteiros

por cincodiasuteis, em 22.09.14

A polémica explica-se facilmente: houve um choque de egos entre Jorge Jesus e José Mourinho sobre quem conhecia um jogador do Benfica antes de ele assinar pela equipa portuguesa e José Mourinho “atacou” o português de Jorge Jesus.

 

Eu não sei se José Mourinho anda pelos balneários de mãos nos ouvidos e nunca se apercebeu da forma como os agentes desportivos (está na moda dizer isto, não é?) falam. Não vou analisar a polémica em si, porque não tem nada para analisar. O choque frontal entre dois egos tão grandes não deixa espaço para mais nada. Aquilo em que eu me quero de centrar é no excesso de Mourinhite nos meios de comunicação social em Portugal. Começa, desde logo, por dizerem que ele é o melhor do mundo de forma absoluta. Como se não houvesse margem para dúvidas. Para os mais distraídos, José Mourinho foi eleito o melhor do Mundo pela FIFA apenas uma vez. O cúmulo chegou quando, a propósito desta polémica, cheguei a ouvir comentadores dizerem em tom de elogio que José Mourinho nunca vira a cara a uma guerra. Como se isso fosse sinónimo de coragem e frontalidade. Por muito bom treinador que Mourinho possa ser, ainda está a alguma distância do Rei Midas – não transforma tudo aquilo que toca em ouro. Alguns chamam respostas ferozes que ditas por outras pessoas seriam apenas falta de educação.

 

Tempo agora para Jorge Jesus. É óbvio que ele devia tratar melhor a língua portuguesa. Ele não é pago para falar, mas é chamado a falar quase diariamente. Treinar o Benfica não está ao alcance de todos pelo que a responsabilidade é grande e quanto maior é a responsabilidade, maior é a exigência. Uma calinada dita por um trolha (com todo o respeito para os trolhas) tem menos repercussão do que uma dada por Jorge Jesus, da mesma forma que uma calinada dada por um Ministro é mais grave do que uma calinada de um treinador de futebol. Às vezes dá a ideia de que ele não quer corrigir para se manter fiel a si próprio. Como se aprender pudesse piorar a personalidade de alguém.

 

No entanto, isto não invalida que Jorge Jesus às vezes possa ter razão e determinados comentadores sejam tentados a fazer chacota pela forma como se ele se expressa revelando uma sobranceria própria de quem desconhece o nível cultural de quem segue diariamente um programa diferente de análise futebolística.

 

A prova de que as pessoas fazem chacota do modo como Jesus fala por ser Jorge Jesus é Cristiano Ronaldo. Quão diferente é a o mau tratamento que Jorge Jesus e Cristiano Ronaldo dão à língua de Camões? Quão diferente é a chacota? Sair de Portugal dá dinheiro e estatuto. Não dá razão. Sejamos imparciais. Pelo menos quem é pago para o ser. Chame-se Dartacão, Athos, Porthos ou Aramis.

 

Francisco Mendes

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contacto

cronicasinuteis@sapo.pt