Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Errar é humano. Escrever bem também

por cincodiasuteis, em 29.07.14

O Governo não pode cortar mais na Educação. Se continuamos a este ritmo, qualquer dia temos pessoas que chegam a deputadas e que não sabem escrever. Ah! Afinal, chegou o dia…

 

Catarina Marcelino, deputada do PS, escreveu um post no facebook em que escreveu “sensura”, “tulero” e “bloquiarei”. Os erros devem-se, talvez, à aceitação da Guiné Equatorial na CPLP. Horas mais tarde, editou o post e reformulou-o para português correcto.

 

Não percebo onde está o espanto. Até parece que é uma coisa muito incomum esta de ver um político português cometer erros. É certo que isto é uma biqueirada valente nas canelas do Camões (como se não bastasse ter uma vista vazada) e que, de certa forma, é atentar contra um dos símbolos da nação, mas acontece mais frequentemente ao Cristiano Ronaldo e não vejo tanto espanto.

 

O Presidente da República bem que se esforça em pedir o entendimento entre os partidos do arco da governação, mas a verdade é que assim é difícil encontrar entendimento. Há uma barreira linguística intransponível. Não admira que o homem tenha um fanico de vez em quando.

 

PS: Depois de ler uma depotada escrever daquela forma cinto-me á vontade para ser creativo. Pregunto-me o que diria a depotada Catarina Marcelino se alguém fize-se confuzão com o “s” e o “c” como ela fez na palavra “censura”. Em vez de ser depotada do PS seria do PC. Ao menos nos “s” e nos “c”, Catarina Marcelino deveria ter mais cuidado, pois sabe bem que pode fazer toda a difrença. A parte gira é ela comessar o post dizendo que há cumentários que ultrapassam todos os limites. O post dela claramente ultrapassou os limites de todos os cumentários que ultrapassam todos os limites. Escrito daquela forma, o post pudia estar escrito no mural do facebook ou num mural em Vila Nova de Foz Coa ao lado de um desenho de homens de tanga a caçarem um mamute. 

 

Francisco Mendes

Autoria e outros dados (tags, etc)



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contacto

cronicasinuteis@sapo.pt